APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Bruna Nascimento

Notícia

Publicado em 05.04.2022 | 17:05 | Alterado em 06.04.2022 | 10:58

Com vista privilegiada para a Rodovia Ayrton Senna — que fica ainda melhor no pôr do sol — quem passa pela Rua Pedra, no Jardim Viana, em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, pode visitar o bar The Gund’s. O espaço, fundado pelos irmãos Felipe Moreira, 30, e Paulo Moreira, 28, é também sede da produtora Tangerina Hits, que fomenta música e cultura para artistas da região.

“O artista está precisando de um lugar não só para tocar, mas para criar raízes”, diz Paulo, mais conhecido como Henri.

A produtora oferece serviços gratuitos, como gravação de músicas, produção de videoclipes e gestão de carreira. Além disso, realiza eventos, dando a oportunidade para artistas tocarem o que quiserem.

O empreendimento traz um quê underground para o bairro – chamado também de Morrão. A ideia de criar uma produtora surgiu em um momento de diversão, em 2018, entre Paulo e os amigos André Augusto, 30, Rodrigo Guerra, 28, e Henrique Campos, o China, 30.

Eles estavam tocando juntos, ensaiando sons que misturavam R&B, indie e hip-hop, quando a motivação apareceu. Na época, todos eles já tinham experiências nas áreas de produção musical e de eventos. Com a abertura do The Gund’s pelos irmãos em 2020, a produtora se mesclou ao bar.

(Da esquerda à direita) Paulo Moreira, Henrique Campos, Leonardo Alves e André Augusto @Letícia Blue/Divulgação

Depois de um tempo, Rodrigo deixou a diretoria da Tangerina Hits. O designer Leonardo Alves, 28, agora faz parte do grupo, juntamente com os demais. O audiovisual fica por conta da musicista, fotógrafa e filmmaker Letícia Blue, 26.

“Você não vê lugar nenhum, pelo menos aqui em Itaquá, que tenha um espaço aberto para chegar e poder fazer seu som”, conta André.

“A ideia começou assim: se você sabe tocar, o palco é livre, pode vir fazer seu som. E nisso foi chegando bastante artista da cidade. A gente se surpreendeu”

André Augusto

Atualmente, a produtora conta com 22 músicos. Desses, a maior parte é de Itaquaquecetuba ou cidades vizinhas como Suzano, Mogi das Cruzes e Guarulhos. Eles tocam diferentes gêneros, entre eles, rap, techno, rock, reggae e MPB.

Qualidade e baixo custo

Com improvisos ainda maiores do que um home studio tradicional, modalidade de estúdio caseiro que ganhou as quebradas, a Tangerina Hits trabalha com criatividade para entregar produção de qualidade a um baixíssimo custo.

“Para um artista gravar um som, gravar um clipe, é muito caro. Hoje em dia tem outros meios, mas mesmo assim é muito caro. A gente grava a galera sem cobrar nada”, afirma André.

A rede de profissionais com experiência em música, eventos, design e audiovisual que compõe a Tangerina Hits é responsável por tudo acontecer.

Os equipamentos muitas vezes são emprestados ou improvisados, como é o caso do microfone condensador usado na captação de áudio. Enquanto o equipamento chega a custar R$ 300, o utilizado na produtora foi montado por eles, usando microfones de eletretos que custaram R$ 5, componentes comprados por alguns centavos e uma bateria.

Artistas tocando em palco aberto da Tangerina Hits @Letícia Blue/Divulgação

Henri revela que uma de suas vontades e planos futuros é criar um curso que ensine o processo de barateamento para mais pessoas.

O microfone, apelidado de TT01, já foi responsável pela gravação de muitas músicas da casa e seria o primeiro ensinamento do curso de produção de baixíssimo custo de um Henri professor.

Em alguns casos, na busca por uma qualidade ainda maior, recorrem à parceria com estúdio profissional e os artistas são levados até lá para a captação.

“A gente gosta de ver o bagulho acontecendo. Se precisar tirar dinheiro do bolso, a gente tira”

Henri Moreira

Música e solidariedade

Apesar da pandemia de Covid-19 ter trazido desafios financeiros, os shows realizados pela Tangerina acontecem com entrada gratuita desde a retomada dos eventos, como forma de atrair o público novamente. Antes disso, era possível entrar com R$ 5 ou um quilo de alimento, que se transformava em cestas básicas.

O trabalho social desenvolvido fez o local ser reconhecido como ponto de colaboração. “Às vezes a galera que não vai vir no rolê passa e deixa o alimento na portaria”, conta Henri.

A arrecadação e entrega de doações destinadas a moradores do bairro em situação de vulnerabilidade são fortalecidas com a união de líderes comunitários, de igrejas e outros pequenos empreendedores da região.

Em uma ocasião, a Tangerina promoveu uma grande ação de arrecadação para auxiliar uma família que teve a casa atingida por um incêndio. Em outras, a rede de colaboração atuou na limpeza, grafite de muros e emplacamento das ruas do bairro.

Para o público

Além do palco aberto, “Garagem Tangerina”, “Festa Emo” e “Respeita as Minas” são alguns entre os oito eventos promovidos pela Tangerina.

Produtora também realiza festas e shows no local @Letícia Blue/Divulgação

Os diretores contam que durante uma apresentação da banda Jazz São Paulo até o motorista de um ônibus municipal parou o veículo para ouvir.

“Esse daí foi um show que meu irmão viu num bar elitizado. Para contratar os caras a gente nem lucrou no dia. A gente fez para acontecer a parada, para trazer uma experiência dessa para a comunidade”, relembra Henri.

A sede da Tangerina conta com um cardápio com lanches, pizza e variedade de bebidas. Um destaque são as seis opções elaboradas de gin a R$ 15, contrariando o padrão de mais de R$ 30 reais em drinques em bares e casas de show da capital.

E se engana quem acha que o valor abaixo do mercado, assim como é o caso do microfone improvisado, também significa baixa qualidade. “Não é porque o bar está na quebrada que você vai servir a pessoa com qualquer coisa”, defende André.

O local ainda é um espaço para venda de quadros de pintores da região e conta com uma biblioteca para o público.Entre as obras presentes, está o livro “Para todas as pessoas emocionalmente destruídas como eu”, de Gabriel Franzoni, músico, compositor e escritor que integrava a produtora.

A obra do autor, falecido em fevereiro e homenageado pela produtora em um evento especial, é um exemplo de que a arte importa e tem o poder de melhorar e se exceder à vida.

A agenda de eventos com a programação completa e os lançamentos da produtora podem ser conferidos no Instagram.

The Gund’s – Casa da Tangerina Hits

Endereço: Rua Pedra, 20 – Jardim Viana – Itaquaquecetuba

Horário de funcionamento: Quarta a domingo, a partir das 18h

Palco livre: Quartas e quintas-feiras

Bruna Nascimento

Fotojornalista, sonhadora, observadora e ouvinte de 'causos' profissional. Corinthiana maloqueira e sofredora (graças a Deus), boa sujeita, pois gosta de samba e tal qual Candeia na voz de Cartola, precisa se encontrar e vai por aí a procurar. Correspondente de Suzano desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republ[email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.