• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Reintegrações de posse em SP seguem mesmo com pandemia; ouça o podcast

As famílias despejadas dizem não receber assistência nem alternativa

Pelo menos dez reintegrações de posse aconteceram durante a pandemia da Covid-19 e outras estão em andamento. De uma hora para outra, centenas de pessoas perderam o lugar onde moravam e o direito de ficar em casa para se proteger de um vírus mortal. As famílias despejadas dizem não receber assistência nem alternativa.

O “Em Quarentena” conversou com Dânia, que é do Movimento de Moradia. Ela acompanhou a reintegração de posse do terreno Sítio Roseira, em Guaianases, no extremo leste de SP, no dia 16 de junho, que retirou centenas de famílias que viviam no local.

“O povo começou a ocupar o lugar pela necessidade. Foram ocupando e chegou em torno de 500 famílias ali. E não teve nenhuma solução. […] No dia [da desocupação], cheguei no oficial de justiça e falei para ele, ‘vocês estão aqui, ajudando na retirada dessas famílias e não tem uma assistente social, não tem ninguém da área da saúde. Ele [oficial] respondeu que a solução desse povo era voltar para o lugar de onde vieram”. (ouça a partir 01:25

Dânia compartilhou o que acompanhou no Sítio Roseira. “As famílias estavam com muito medo. Muitas famílias ali angustiadas e chorando, sem saber o destino para seus filhos. Essa é a realidade que a gente viu ali”. (a partir  02:50)

Ela também comentou sobre o que ocorreu após a reintegração. “Essas famílias não estão sendo assistidas, nem ajudadas pelo poder público. Pelo contrário. Nós, moradores, nos juntamos e fizemos arrecadações. […] O próprio povo está ajudando o povo”. (ouça em 04:03)

Na zona norte, as famílias da ocupação Viva Jardim Julieta também estão com medo de serem expulsas de suas casas. Quem explicou a situação para o podcast da Agência Mural foi Val, moradora da ocupação que está desempregada. 

“No dia 22 agora de junho, recebemos a visita do oficial de justiça, trazendo o mandato que nós teríamos dez dias para desocupar o terreno. Ele veio junto com o CRAS, conselho tutelar, polícia militar e metropolitana. Mas não fizeram nenhum trabalho para saber quantas famílias tinham, se tinham crianças e idosos. Não foi feito nenhum trabalho para entender qual a situação, se estão desempregados e ver a situação de cada um”. (em 04:44)

A moradora contou também o que apurou no levantamento que ela mesma fez na ocupação. “Temos vários idosos, vários, e cadeirantes. Ontem eu fiz um pequeno levantamento dessas pessoas e vi que a gente tá com muita criança com deficiência. Crianças com microcefalia, paraplégica e outras com paralisia infantil. Fiquei impressionada com o número de crianças com deficiências na ocupação”. (em 05:33)

Val falou também sobre a falta de opções oferecidas pela prefeitura e os motivos que levaram as pessoas a ocupar aquele espaço. “Na vulnerabilidade todos nós estamos. Hoje muitas famílias que pagam aluguel, não deixaram de pagar seu aluguel para comprar madeira ou material de construção para fazer o seu barraco. O único dinheiro que a maioria das pessoas tem é o auxílio emergencial. [O aviso veio] bem na semana que a gente recebeu o auxílio. A maioria das pessoas não tem para onde ir. Vai para a rua”.  (em 06:20)

Lucas Veloso, correspondente da Agência Mural, contou essas histórias na matéria “Moradores despejados dizem não receber assistência nem alternativa” publicada na Folha de São Paulo.

Procurada, a Prefeitura afirma que uma equipe do CRAS compareceu em 4 junho no local e ofereceu acolhimento às famílias, que recusaram a oferta. Já sobre a ocupação na zona norte, ainda não há data definida sobre a reintegração e, por enquanto, houve apenas uma reunião entre a gestão e órgãos do judiciário.

Este episódio do “Em Quarentena” foi finalizado com uma mensagem que Dânia deixou para todos. “O povo só quer ser tratado com dignidade e respeito pelos governantes. E o desejo de cada pai de família é ter um lar digno para que possa criar os seus filhos”. (em 07:38

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #78: Reintegrações de posse na pandemia.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Grande São Paulo

Comentários