APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Sidney Pereira

Notícia

Publicado em 28.04.2022 | 18:00 | Alterado em 29.04.2022 | 17:25

José de Paulo, 18, trabalha há sete meses vendendo doces em um cruzamento da rua Voluntários da Pátria, a principal via do distrito de Santana, na zona norte de São Paulo. Com jeito tímido, ele aborda os clientes com um aceno e arranca sorrisos ao exibir um cartaz que anuncia: “Eu vou ser empresário. Tudo tem um começo!”.

O jovem vive com a mãe diarista na viela Luiz Haro, comunidade com cerca de cem moradores, espremida entre prédios de alto padrão no bairro Alto de Santana. O local de trabalho foi escolhido por ser perto de casa, evitando gastos com transporte. “E ainda tem uma árvore grande que dá sombra o dia inteiro”, brinca.

O jovem ambulante José de Paulo pretende ser empresário no futuro @Sidney Pereria/Agência Mural

Ele conta que terminou o ensino médio e saiu do emprego em uma lanchonete para se dedicar exclusivamente às vendas no semáforo. “Ganhava um salário baixo, sempre gostei de vender produtos na escola e decidi sair. Compensa trabalhar na rua, já tenho clientes fixos”, afirma.

No comércio, os produtos que mais saem são o alho (ao custo de R$ 10 o pacote), balas e gomas de mascar (a partir de R$ 1). Além disso, também são aceitos pagamentos por QR Code. “Tenho 100% de lucro na venda”, revela.

Para ajudar no sonho de ser empresário no futuro, o rapaz planeja ingressar no curso superior de Administração. Enquanto isso, além de trabalhar durante sete horas diárias na rua, ele tem investido o lucro com as vendas em um pequeno e-commerce.

“Compro o produto, embalo, coloco a etiqueta e envio ao comprador”, diz José, que revende itens eletrônicos comprados no Brás [região central de São Paulo], mas sonha em montar uma loja física.

Brasileiros não são trabalhadores informais porque querem, diz Dieese

No último trimestre, 313 mil novas pessoas passaram a atuar como trabalhadores informais, mostram dados de janeiro de 2022 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo Lucia Garcia, 55, economista do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), os brasileiros não estão nesta condição de informalidade por escolha, mas sim pelo aumento do desemprego e a queda na renda.

“O mercado não tem oportunidades de trabalho suficientes para todos: 39,5 milhões de brasileiros não têm emprego [formal], o que chega a 40% do total”

Lucia Garcia, economista

Além dos desempregados, este grupo de trabalhadores informais é formado por assalariados sem carteira assinada, como diaristas e mensalistas, aqueles que atuam por conta própria e os empregadores sem registro.

A economista afirma que, historicamente, o crescimento da economia traz a diminuição da informalidade, mas a aprovação da reforma trabalhista deixou o setor em um patamar ainda muito ruim.

A economista do Dieese, Lucia Garcia, vê aumento do trabalho informal no país @Divulgação

“Aí veio a pandemia, que jogou uma pá de cal no mercado, piorando o que já não estava bom. A informalidade voltou com muita força e é a última alternativa que os trabalhadores têm na luta diária pela sobrevivência”, diz.

“No final de 2021 e no início deste ano, os empregos começaram a ser gerados, mas a qualidade da ocupação de vagas é insatisfatória, instável, sem acesso a direitos, de curto prazo, e rendimentos mais baixos do que antes da pandemia”, complementa.

A atual taxa de desemprego no Brasil está em 11,1% e a especialista do Dieese critica a atuação do governo. “O problema é maior pela falta de coordenação da crise sanitária e a desorganização econômica. Os políticos gostam de anunciar números de crescimento, mas isso não garante renda suficiente para as famílias”.

A comunidade da viela Luiz Haro fica na região do Alto de Santana @Sidney Pereira/Agência Mural

Recentemente, o jovem José de Paulo se tornou MEI (Microempreendedor Individual) para ter direito a benefícios sociais, como o auxílio-doença, aposentadoria e pensão. Segundo o Governo Federal, o Brasil registrou 3,1 milhões de novos MEIs em 2021 – representando 80% dos pequenos negócios abertos no ano passado.

Sobre este caso, Lucia orienta que o vendedor continue como MEI, obtendo o seguro social com as contribuições para a Previdência Social. Ela também vê como positiva a participação no comércio eletrônico, “um mercado promissor, já que as mudanças dos hábitos de consumo são definitivas”.

Por fim, aconselha que o empreendedor procure o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) para ter noções de gestão, organização e visão de mercado.

Sidney Pereira

Formado em Comunicação Social pela FAAP. Seu hobby preferido é acompanhar competições esportivas, como mundiais, durante o período de férias. Correspondente da Vila Maria desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.