APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Vale Nota?

Adolescentes temem fechamento definitivo de espaço de cultura em São Paulo

Casas de Solidariedade na região do Glicério e na periferia tiveram atividades suspensas. Pais relatam demissão de funcionários e falam em fechamento definitivo; governo nega

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 14.07.2020 | 12:06 | Alterado em 16.07.2020 | 11:05

Vitória Camila da Silva, 16, está no segundo ano do ensino médio. Desde os 12 anos, ela frequentava a Casa da Solidariedade 2, localizada no Glicério, região central da capital paulista. Por lá, a menina fez aulas de teatro e artes plásticas, mas a rotina mudou desde março por conta da pandemia da Covid-19.

Agora, ela teme que esse tipo de atividade não aconteça mais, pela chance de fechamento do local. 

A iniciativa atendia 917 crianças e adolescentes de famílias pobres em três unidades da capital. Além do Glicério, a Favela do Moinho, no centro da cidade, e o bairro Sol Nascente, distrito de Anhanguera, na região noroeste da capital, tinham unidades em funcionamento. 

Todas as crianças e adolescentes que frequentavam as casas estavam obrigatoriamente matriculadas na escola regular. Iam às Casas durante o contraturno da escola. 

Vitória lembra que a cada início de ano eles tinham a oportunidade de escolher as aulas que iriam fazer. Circo, dança e capoeira eram as preferidas. Em casa, diz que tenta manter a rotina de estudo e treino para não perder o hábito e para não ‘enlouquecer’. 

Image

Casa de Solidariedade oferecia atividades culturais para adolescentes @Arquivo Pessoal

“Apesar de treinar e alongar em casa não é a mesma coisa do que ter uma aula de circo ou dança como eu teria normalmente”, diz a ex-aluna. “Eles [governantes] tem que começar a pensar em fazer mais desses projetos sociais porque passam cultura conhecimento e abre portas para esse mundo artístico”. 

Na internet, um abaixo-assinado com mais de 17 mil assinaturas [em 14 de julho] pede a continuidade das atividades.

Mães de alunos e funcionários de unidades das Casas contaram à Agência Mural que antes mesmo da pandemia, já havia informação de que atividades poderiam ser encerradas e que o governo estadual alega falta de dinheiro. Também citam a demissão de funcionários que atuavam nos espaços. 

O Governo do Estado diz que as atividades foram suspensas por causa da pandemia e nega o fechamento definitivo das Casas de Solidariedade. A gestão afirma que o contrato não foi rescindido e que os meses paralisados serão retomados após o retorno das atividades, assim como os devidos pagamentos após prestação de contas pelos serviços prestados no futuro.

Atualmente, os espaços são geridos pela ONG Instituto Criança Cidadã. Procurada, a entidade não respondeu à reportagem. 

Image

Casa de Solidariedade realizava atividades culturais @Divulgação

FUTURO

O projeto começou em 1984, com a criação da primeira Casa de Solidariedade, no centro. Em 2000 e 2013, surgiram as duas outras unidades, com a ideia de “atender crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social a fim de resgatar a autoestima dos alunos, identificar e desenvolver suas habilidades, contribuindo para o desenvolvimento da cidadania”, segundo o governo do estado.

Para Vitória, a participação na Casa de Solidariedade serviu de inspiração para o futuro. “Ganhei uma bolsa de estudos numa escola de dança e de circo porque comecei na casa, viram que tinha talento e me ofereceram essa oportunidade”, lembra. “Quero trabalhar com isso, e se não fosse a casa eu estaria perdida para encontrar outra coisa em que trabalhar”. 

VEJA TAMBÉM:
Confira o avanço de casos de Covid-19 na Grande São Paulo
Se sair, não leve o coronavírus para casa; Veja orientações
Sepultadores relatam pressão no trabalho e o preconceito contra a profissão

Com 13 anos, Maria Silva também teme o fechamento definitivo da Casa. Ela fazia atividades como circo e capoeira, além de dança, horta, teatro e informática. Quando lembra do espaço, comenta que a experiência foi positiva. 

“Aprendi muitas coisas que jamais pensei em aprender, fiz novas amizades, e tenho um carinho enorme por aquele lugar assim como várias outras pessoas que também estavam lá”, acrescenta.

Em casa, a rotina tem sido mais monótona com a expectativa de que possa retornar. “Não tenho feito muitas coisas, a não ser as lições que estão mandando da escola, e as aulas online de uma escola de circo”. 

“Espero que eles usem o poder com mais igualdade a todos, e que eles repensem sobre esse ato, pois vários funcionários então ficando sem trabalho, e muitas famílias estão desamparadas, pois contavam com esses projetos”. 

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.