APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Batalhas de rimas voltam ao cenário cultural das periferias de Salvador

Duelos interrompidos pela pandemia começam a formar agendas e movimentar competições entre jovens MCs nas praças da cidade

Image

Por: Eduardo Machado

Notícia

Publicado em 10.09.2021 | 4:46 | Alterado em 14.09.2021 | 11:56

Image

Os MCs Cardy, Shaft e Mahina são organizadores das batalhas Nova Era e Zeferina @Eduardo Machado/Agência Mural

“Quero ver matar ele! Quero ver matar ele!”. Ecoada em coro por jovens das mais diversas idades, identidades e territórios de Salvador, a provocação, apesar da linguagem agressiva, é um convite poético de convocação à Batalha da Revolução, um duelo de rimas improvisadas entre MCs realizado na tarde do último sábado (4), na Praça da Revolução, em Periperi, no Subúrbio Ferroviário de Salvador.

Para o evento acontecer, participantes e público enfrentam outra luta atual em campo, cujo principal desafio continua sendo o de manter os devidos cuidados de enfrentamento à Covid-19.

“Agora já está melhor, tudo certo. A maioria dos MCs estão vacinados ou com a primeira dose. Com isso os duelos voltam a acontecer cumprindo todas as medidas preventivas necessárias”, destaca um dos organizadores, Junior Anjos, 21, conhecido como MC J.N, que gesticula com as mãos mostrando a máscara e o álcool em gel na mesa. 

O rapper e também organizador da batalha, Everton Nelson Portela, 20, o E.V MC,  ressalta a motivação para retomar os trabalhos de valorização da cultura hip hop e difusão da cultura popular.

“É um encontro de pessoas negras e periféricas, que vivem isolados cultural e socialmente. Mesmo sendo maioria, e a gente se unindo, é perceptível essa motivação de luta e resistência que são as batalhas, além de sermos espelhos para outras crianças e jovens de nossas comunidades como símbolo de cultura e de união”, diz E.V MC.

Image

MC Pitbull, que tem 113 títulos de batalhas @Arquivo Pessoal/@Pitbull.astro

Com o isolamento social por conta da pandemia, artistas populares que tem a rua como palco para apresentar e viver do trabalho artístico vivenciam momentos de incertezas e dificuldades, aponta a jovem poetisa Beatriz Santos, 19, moradora de Periperi, estudante e trabalhadora do mercado informal.

“Trabalhava o tempo todo fazendo poesia nos coletivos e tive que parar por conta da pandemia. Foi muito complicado, tive bloqueio criativo, dificuldades, mas fui me virando, me reinventando. E esse retorno das batalhas a gente tem que aproveitar para recarregar as energias, para se unir e poder trocar informação”, reforça.  

 A estudante Raíssa Vitória, 24, diz gostar bastante da cultura do hip hop e não perdeu tempo com o retorno dos duelos de MCs para apresentar à filha Maria Joana, de 8 meses, à cena do rap. Moradora de Periperi, ela destaca a oportunidade das comunidades respirarem arte no evento. 

“Depois de quase dois anos, a gente sem poder sair, sem poder ter uma batalha e agora poder encontrar de novo as pessoas é muito bom, sobretudo para mim que trago pela primeira vez a minha pequena”, diz Raíssa.

Para o competidor Wallace Santos de Jesus, 11, morador da Urbis de Periperi e o mais novo concorrente da batalha ao prêmio de R$ 50, a competição é uma inspiração. “Lembro que estava passando e vi um monte de gente reunida. Aí vim perguntar o que era e falaram sobre a Batalha de Rap. Depois me inscrevi para poder rimar. A Batalha da Revolução me inspirou muito para poder rimar”, relata.

A regra das batalhas é bem simples, cada MC tem 30 segundos para desenvolver suas rimas, um round para cada, se houver empate é feito o terceiro round. A decisão fica por parte do público que se manifesta através de gritos ou levantando as mãos para contagem de votos. Rimas criativas e o respeito à diversidade presente são pontos cruciais para definir quem leva o título do duelo das batalhas. 

Morador da comunidade Cosme de Faria e estreante na Batalha da Revolução (@batalhadarevolucao), George dos Santos, 18, ou MC Pitbull (@Pitbull.astro), foi o campeão da disputa, que contou com 16 participantes dos diversos bairros da capital. Ele levou para casa o prêmio de R$ 50 e um kit de brindes da Tabacaria WM (@tabacariawm071), que patrocina o evento. 

Com caminhada na cena da improvisação, o jovem soma com esse prêmio 113 títulos de batalhas e comemora o retorno das disputas, lembrando do impacto do vírus nessa agenda. “Infelizmente esse bagulho de pandemia veio atrapalhar um pouco, mas para mim é natureza mostrando que não somos mais fortes e estamos de, certa forma, ferindo  ela (a natureza)”, reflete o campeão MC Pitbull.

Image

Dato e Shaft MC, organizadores da Batalha da Zeferina @Eduardo Machado/Agência Mural

OUTRAS PRAÇAS DE BATALHAS

Com agenda todas as quintas-feiras, às 15h, na rotatória da praça do Jardim Botânico, no bairro de São Marcos, acontece a Batalha Nova Era (@bne_batalhanovaera). 

A função, segundo os organizadores, é a informação e a formação da juventude por meio da cultura. Para MC Mahina, 17, moradora do bairro e uma das organizadoras do evento, é importante manter uma série de atividades voltadas para os jovens.

“O principal foco é tirar a galera do tráfico, tá ligado? Esse é o nosso alvo. Para além da batalha, fazemos uma roda de poesias, temos projetos de arrecadação de livros para uma biblioteca e também incentivamos, por meio da produtora Todú Canto, outras batalhas com divulgação e planejamento de comunicação”, diz. 

Wendel Santos, 20, conhecido como Cardy MC, um dos criadores da Batalha Nova Era, conta que a disputa acontece desde dezembro de 2019, mas deu uma pausa devido a pandemia da Covid-19, e só voltou a acontecer em julho de deste ano. 

Ele destaca o desafio de realizar as rodas de rima no momento atual, apesar do avanço da vacina e da flexibilização de algumas medidas que tornaram-se importantes para esse retorno. 

“É mais difícil porque a galera é um pouco cabeça dura, mas a gente sempre vai reforçando o uso da máscara e do álcool em gel para poder, não só se proteger, mas proteger a todos que estão no ambiente”, conta Cardy MC. 

Image

MCs na Batalha de Zeferina, em Periperi @Divulgação/Zero7um.prod

No bairro da Liberdade, a competição Batalha da Matilha (@batalha_da_matilha)  é organizada pelos MCs Lucas Limão, 24, e a Mc Loza, 20, e acontece às segundas-feiras, no Largo da Soledade, com o apoio da Todú Canto Produção (@Toducanto). 

Limão explica que o evento cultural que ocorre há 2 anos, busca dar visibilidade a cena do rap em Salvador, além de agregar outros elementos como o grafite e o break. Também há espaço para outras manifestações de cultura popular e de rua como  a capoeira. Contudo, a proposta de começar com regularidade, após alguns eventos aleatórios entre o ano passado e este, exige cautela e consciência. 

“Tentamos retornar em 2020, mas não conseguimos e preferimos nos recolher porque as condições não estavam favoráveis. Sabemos que é real, para quem segue a ciência e, saber que seríamos responsáveis pela transmissão do vírus para outras pessoas que não escolheram é complicado. Agora está acontecendo com todas as medidas preventivas necessárias”, diz MC Lucas Limão.  

Em Periperi, os jovens Leonardo Silva dos Santos, 21, e Jadson Souza Aragão, 21, mais conhecidos, respectivamente, como Shaft e Dato Mc são realizadores da Batalha da Zeferina (@batalhadazeferina) que acontece no Conjunto Habitacional Guerreira Zeferina, quinzenalmente aos sábados à tarde. 

Shaft MC destaca o apoio conquistado para o evento no bairro. “A Batalha da Zeferina inspira outras pessoas, porque a comunidade toda abraça e apoia. Inclusive, a gente tem conquistado espaço dentro da comunidade”. 

E exemplifica: “Os bares dão um apoio para gente com água, as pessoas se envolvem e participam, aos poucos vem chegando, ajuda com uma camisa, um amigo fotografa, um vizinho fortalece com a luz e o microfone e assim vai crescendo, se estruturando”, diz Shaft MC. 

Para Dato MC, o isolamento com o período da pandemia e a ausência das manifestações artísticas nos territórios periféricos ressaltam consequências como o avanço da cultura da violência. 

VEJA TAMBÉM:
Poetisas do Nordeste de Amaralina engajam temas como injustiças sociais e orgulho negro
Artistas e coletivos culturais de Salvador sofrem com prazos de edital diante de lockdown

“Quando a cultura não ocupa o espaço que deve ocupar por direito, outras coisas ocupam como o crime e a violência.  Quando existe escassez de cultura, a violência toma esse espaço”, observa. 

Segundo dados divulgados pelo relatório “A vida resiste: além dos dados da violência (2021)“, da Rede de Observatórios da Segurança, de junho de 2019 a maio deste ano, a Bahia registrou 247 vítimas em chacinas, sendo que 165 foram vítimas fatais.

Gustavo Aquino tem 21 anos e há cerca de 12 anos participa das batalhas de rap em Salvador. Conhecido popularmente como Arch, ele entende que a vida é um freestyle (estilo livre) e destaca a importância do hip hop na sua caminhada.

“Sofro de síndrome de pensamento acelerado, tenho histórico depressivo e cheguei a passar um ano e oito meses trancado no quarto e, graças às batalhas consegui sair, tive essa cura”, destaca Aquino.

Artista criado nas ruas da Glória, em Mirantes de Periperi, Lucas Santos Leite, 27, o Urubu do Quilombo (@UrubudoQuilombo) é figura carimbada nas rodas de rapper soteropolitanas. 

Para Urubu do Quilombo, que também é militante do Coletivo Incomode e poeta de rua, ver os encontros culturais em praças públicas como ferramentas para interligar artistas é uma ‘válvula de escape’ para muitas pessoas sem acessos a espaços culturais. 

“Para mim é algo muito importante o retorno das batalhas, porque é um caldeirão misto de Cultura um círculo que está em constante movimento, as batalhas são pontos de ignição para muitos artistas ascenderem no cenário musical”.

Eduardo Machado

Jornalista e correspondente do bairro Lobato no Subúrbio/ Ilhas em Salvador, BA, desde 2020. É educador referência e articulador político. Integra assessorias de Movimentos Negros e a Rede de Religiões de Matriz Africana do Subúrbio Ferroviário de Salvador. É Ogan no Ilê Axé Torrun Gunan e pai de Kaiyê Dan.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.