APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Poetisas do Nordeste de Amaralina engajam temas como injustiças sociais e orgulho negro

Entre redes sociais e sonhos de publicações, autoras buscam espaços para declamar sobre rotina na periferia, violência e empoderamento

Image

Por: Bruna Rocha

Notícia

Publicado em 03.09.2021 | 11:27 | Alterado em 03.09.2021 | 11:27

Image

A poetisa Luísa Cardoso, que declama poesias desde a infância @Bruna Rocha/Agência Mural

Entre saraus, lives e publicações nas redes sociais, jovens poetisas do Nordeste de Amaralina, em Salvador, buscam espaços para debaterem temas como autocuidado, empoderamento e o cotidiano nas periferias, por meio das suas obras. 

“Encontrei no Instagram um espaço para expor meu trabalho e ele se tornou o meu ambiente, o meu lugar de fala. Lá falo sobre feminismo, palmitagem e empoderamento porque essa é a minha vivência enquanto jovem negra periférica”, diz Luísa Cardoso, 16, poetisa e estudante do curso Refrigeração e Climatização Industrial no IFBA (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia). 

Luísa conta que o interesse por poesia começou na infância, quando começou a escrever e recitar. “Com meus oito, nove anos, eu escrevia mensagens para família, e aos 11, 12, já me apresentava para toda família. Era algo que gostava muito de fazer”. 

Com o início da pandemia, Luísa resolveu fazer vídeos declamando para suas redes sociais. “Gosto de dizer que a arte já nasce com a gente e aflora esse nosso lado artista. Produzo arte porque sei que através dela sou uma pessoa mais livre”, conta. 

Em alguns de seus poemas, Luísa aborda temas como feminicídio e a violência policial nas favelas, como em “Ser mulher é isso” e “O plano”, respectivamente, publicados em seu Instagram (@luisa.cardoso_). 

Com cerca de 1600 seguidores na rede social e vídeos que somam mais de 15 mil visualizações, Luísa também participou de lives e eventos no Youtube. “Participei de palestras abordando o setembro amarelo, a importância do autocuidado e sobretudo a rede de apoio familiar junto ao acompanhamento psicoterapêutico.” diz Luísa. 

Outra referência para os jovens no bairro é Jeana Oliveira, 19, também conhecida pelo seu nome artístico Mona Kizola, como foi batizada após iniciar sua trajetória no Candomblé. Multifacetada, a jovem é atriz, capoeirista, jogadora de futebol no clube Lusaca, microempreendedora, estagiária na Cipó Comunicação Interativa e, como poetisa, quer ir além das apresentações em saraus e escrever seu próprio livro de poesias. 

Image

Jeana Oliveira (Mona Kizola) planeja publicar seu primeiro livro com 31 poesias @Bruna Rocha/Agência Mural

Já escolhido, o nome da obra será Kuá Ndanji, palavras de origem bantu, que juntas significam “Pela Raiz”. “Kua Ndanji trará a minha vivência como preta, periférica, mulher e candomblecista. Tudo o que se relaciona a uma sociedade periférica e seus apagamentos”, diz Mona. 

O livro deverá conter 31 poesias; 21 delas já foram selecionadas. A autora estuda agora como fará para encontrar patrocínio e editora para lançar sua publicação. Uma das poesias que fará parte do escrito é “Conscientização”, que fala sobre frustrações e desesperanças.

“Vejo na poesia a possibilidade de desabafar, e milito nas obras. É a minha forma de ter voz e a partir dela ser escutada. Assim, posso falar por um jovem preto ou jovem preta que se sente silenciado pelo sistema”, diz Mona. 

VEJA TAMBÉM:
Escritoras criam espaços para a literatura negra e falam sobre os desafios no mercado editorial
Aos 86 anos, escritor cego produz livros e poesias durante a pandemia

Enquanto produz, a poetisa participa de eventos. Recentemente se apresentou na live Julho Das Pretas pelo Instituto Odara, no Sarau do Coletivo Resistência Preta e recitou na ocupação Carlos Marighella. “Tenho que colocar minha cara a tapa e falar sobre essas injustiças porque muitos dos meus morreram em busca desse direito, preciso buscar a plenitude para os meus”, complementa.  

Dentre suas principais inspirações estão Kota Gandaleci, Kalulu Ndanji e Negra Winnie, participante de um grupo que reúne advogadas, escritores, poetas e cantores do cenário baiano. “São pessoas que me incentivam muito e acreditam em mim. Aprendo muito com eles e é um prazer poder conviver com esses seres magníficos.” pontuou. 

“Por isso que amo a poesia, eu me vejo nela, porque posso falar quem realmente sou, minhas dores, amores, sobre o que vivo. É tão maravilhoso, isso me fará chegar a muitos lugares e quero trazer os meus comigo”, conclui Mona.

Bruna Rocha

Estudante de jornalismo, correspondente da Barra/Pituba em Salvador, BA, desde 2021. Gosta de ler, resenhar, e sempre estar informada, pois acredita que através da comunicação de qualidade e ética pode quebrar barreiras.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.