APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Com atividades remotas, grupo de idosos de Pernambués completa 33 anos

Fundado em maio de 1988, grupo Nova Vida mantém relações de amizade a distância e evita isolamento afetivo

Image

Por: Rosana Silva

Notícia

Publicado em 14.05.2021 | 6:45 | Alterado em 23.11.2021 | 19:02

Tempo de leitura: 4 min(s)
Image

Estelita Conceição, Rose Rian e Corina Cerqueira seguram a bandeira do grupo Nova Vida @Gabrielle Guido/Agência Mural

A aposentada Corina Cerqueira, 87, sentiu o impacto causado pela suspensão dos encontros presenciais do grupo de idosos do qual faz parte, em Pernambués, Salvador, por conta da pandemia.

“Eu senti tanto que comecei a ficar esquecida. Isso está me prejudicando. Quando a gente está lá conversando, é só chegar em casa para contar os casos, o que foi que aprendemos. Isso já é muito importante”. 

Durante três dias na semana, ela e seus vizinhos se reuniam para realização de atividades educativas, de lazer e laborativas no grupo de convivência de idosos Nova Vida, instalado no CSU (Centro Social Urbano) de Pernambués, na rua Thomaz Gonzaga. 

Composto por 50 idosos, o grupo está prestes a completar 33 anos neste sábado (15) e precisou adaptar suas atividades para formatos remotos para não deixar de atender. Por conta das medidas de restrição impostas pelo combate à pandemia, somente os serviços essenciais funcionam atualmente no centro. 

A psicóloga Ana Emília Ramos alerta que apesar da pandemia trazer o distanciamento físico, o isolamento afetivo não deve ser mantido, porque pode trazer riscos para a saúde mental das pessoas idosas.  

“É muito importante manter contato telefônico ou ligações por vídeo chamada, com familiares, amigos e pessoas significativas para diminuir a saudade, buscar apoio emocional, dividir os medos e preocupações, mas também compartilhar estratégias de enfrentamento que podem promover o fortalecimento de forças pessoais”.

Assim como Corina, a aposentada Estelita de Jesus Conceição, 61, relata que no início da suspensão dos encontros ficou parada. Depois, decidiu caminhar.  

“Antes, eu andava todo dia de manhã. Pegava uma senhorinha [do grupo] e andava até o Conjunto São Judas Tadeu. Depois, deixava ela em casa e voltava para a minha. Mas, nesses tempos, deixei de sair”.

A assistente social e coordenadora do CSU, Rose Rian, que também é técnica do Nova Vida, explica como os idosos vêm sendo acompanhados à distância.

“As atividades laborativas, educativas e de lazer estão sendo desenvolvidas em formatos acessíveis com recursos tecnológicos, por vezes limitado e às vezes ampliado, vai dependendo do incentivo à pesquisa que vai sendo aceita e estimulada para cada idoso (a)”.

Image

Estelita acompanha e interage com as companheiras pelas redes sociais @Gabrielle Guido/Agência Mural

Apesar das dificuldades no uso das novas tecnologias, Rose ressalta a boa aceitação por parte dos idosos, já que 30% tiveram contato com oficinas de informática. 

“Tivemos alguns idosos que já estão utilizando o Instagram, outros usam apenas o WhatsApp e uma menor parte usa telefone fixo residencial ou celular só para recebimento de ligações”, acrescenta.

Corina, por exemplo, passou a receber ligações das voluntárias do Nova Vida, que oferecem uma escuta voltada para o cuidado da saúde mental. “Quando recebo a ligação, eu renovo. O tempo se alegra, não existe mais tristeza, não existe mais nada”.  A idosa também tem apoiado as amigas. “Ligo para minhas colegas e elas ligam para mim”, diz.

Já Estelita passou a interagir com as colegas por meio do  grupo no WhatsApp, além de acessar os conteúdos e as atividades disponibilizadas. “A gente conversa, as responsáveis ligam, mandam vídeos de aula de ioga, vídeos para fazermos exercícios”, diz.

Considerada uma das fundadoras do Nova Vida, a aposentada Maria Vitória dos Santos, 98, recebe o apoio da filha, a professora Janete Santos, 50. “Sempre gravo no WhatsApp do grupo, ela tomando café, mandando beijo para as amigas. Tem vídeos dela fazendo ginástica e dizendo para as amigas como ela faz”, detalha Janete. 

Image

Corina Cerqueira se emociona ao falar do aniversário do grupo Nova Vida @Gabrielle Guido/Agência Mural

CONTRA SOLIDÃO

Corina soube da existência do grupo em um momento em que não sabia lidar com a solidão. Ela trabalhou como merendeira e permaneceu na profissão até se aposentar.  “Quando saiu no Diário Oficial que estava aposentada, eu comecei a chorar. Não queria passar o [tempo] sem uma pessoa para conversar, com o marido trabalhando”, relembra.

Para a psicóloga Ana Emília Ramos, os grupos de convivência contribuem para proteção da saúde mental das pessoas idosas, por meio do suporte social, além de proteger contra a solidão e o avanço da depressão.

“Os grupos de convivência também podem fornecer suporte emocional através dos vínculos afetivos significativos que podem ser estabelecidos. Além de se questionar a crença social de que o envelhecimento está associado às ideias de inatividade e deterioração”, acrescenta.

Rose Rian elenca algumas mudanças positivas no comportamento dos participantes. “Percebemos autonomia do idoso, elevação da autoestima, desenvoltura no interesse da participação social e comunitária, aproximação das relações intrafamiliares, motivação à promoção de prática de atividades físicas, saindo do sedentarismo, entre outros”.

VEJA MAIS:
Em Pernambués, moradoras relatam os desafios de controlar a diabetes na pandemia
Em Pernambués, negócio culinário proporciona cozinha afetiva para despertar memórias e sabores

O grupo oferece atividades com enfoque no lazer, na educação e nas práticas laborais. Estelita ressalta os resultados dos exercícios físicos e experiências vividas em coletivo. “Quando cheguei aqui, aprendi, porque, no período da manhã, eu tinha que fazer caminhada na quadra. Aqui a gente se diverte. Jogamos baralho, dominó, dama, fazemos artesanato”.

Também são oferecidas atividades educativas que propiciam a troca de conhecimentos, por meio de palestras, rodas de conversa, com a presença de convidados e parceiros multiprofissionais. Já as atividades laborais proporcionam qualificação profissional e tecnológica que buscam incentivar o potencial empreendedor dos participantes. 

Com todas essas ações, a continuidade do Nova Vida, aniversariante do mês, é um desejo coletivo comum. “Eu não sabia que a gente podia viver mais feliz. Então, a vida melhorou. Queria que o grupo não fracassasse, que se animasse mais, para ir para frente, com mais alegria e tudo de bom”, diz Maria Vitória, integrante há 30 anos.

Rosana Silva

Jornalista, correspondente de Pernambués/Cabula em Salvador, BA, desde 2020. Tem trabalhado em produções voltadas para arte, cultura e comunicação. Adora um cafezinho com cuscuz, um bom solo de violão e a luminosidade da cidade do São Salvador da Bahia.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.