APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Lilica Rocha lança clipe afrofuturista e coroa crianças black power

Artista-mirim de Itapuã, que encantou artistas como Caetano Veloso, faz sucesso nas redes sociais e lança música de empoderamento infantil

Image

Por: Gabrielle Guido

Notícia

Publicado em 22.10.2021 | 4:02 | Alterado em 22.10.2021 | 4:02

Image

A cantora Lilica Rocha, de 7anos, que acaba lançou um álbum e promete novidades @Divulgação/Rafael Martins

Liz Rocha, soteropolitana de 7 anos, conhecida artisticamente como Lilica Rocha, começou cedo a se divertir cantando e, através das redes sociais, tem cativado artistas e fãs com seu talento. Para celebrar o último Dia das Crianças, a pequena cantora moradora de Itapuã, em Salvador, lançou o videoclipe Black Power Sou”, faixa do seu álbum “O sol reflete“, no qual fala sobre autoestima e o orgulho de ser uma “rainha coroada”. 

“A música fala de cabelos crespos, que eu não preciso de coroa para ser princesa ou para ser rainha, que é a ordem do crescimento. E a gente lançou no dia 12 como um presente para as crianças”, comemora Lilica. 

O pai da artista, o músico, produtor, ator e escritor Leo Rocha, 37, conta que a estética do clipe, gravado em Salvador, é inspirada no chamado afrofuturismo e traz referências de danças de outros artistas como Beyoncé, Psy, Freddie Mercury e Michael Jackson, todos admirados pela filha. E ressalta a importância da mensagem na canção. “A música fala sobre empoderamento na visão de uma criança”, diz Leo. 

Lilica se diz encantada com a gravação do seu primeiro clipe. “Foi uma experiência muito boa. Gostei muito de estar no palco, em vários lugares, com a câmera focando em você. Eu adorei”, revela. 

Desenvoltura, estilo e carisma são marcantes na cantora, que atendeu à reportagem usando óculos escuros em formato de coração e esbanjando intimidade com a câmera. 

Por conta dessa habilidade com elementos musicais e as lentes, os pais de Lilica passaram a publicar seus vídeos no Instagram, no início da pandemia. 

No Natal do ano passado, a menina ganhou fama nas redes sociais quando Caetano Veloso a viu cantando Tigresa e ficou encantado. O cantor incluiu a música a uma live em sua homenagem. O pai da menina relembra a repercussão do caso.  

“Quando Lilica viu o Caetano assistindo seu vídeo impressionado, lembro de ver os olhos dela brilhando, cheios de entusiasmo e alegria. Ela ouve Caetano desde muito cedo e ficou super feliz”, lembra Leo. 

A partir desse momento, surgiram mais convites de lives e participações especiais em programas de televisão. “Foi legal porque outras pessoas puderam conhecer o jeito dela fazer arte, de cantar e fez com que ela ficasse um pouco mais conhecida. Para ela também foi bom porque sinto que ela ficou mais estimulada a fazer arte, a compor e cantar outros artistas. E se divertir mais fazendo isso”, diz Leo.

Image

Lilica Rocha durante gravação do clipe Black Power Sou @Divulgação/Rafael Martins

Atualmente, a artista tem mais de 10 mil seguidores no Instagram. Seu álbum “O sol reflete“, com nove faixas lançadas, está disponível nas principais plataformas de streaming. Contudo, esse trabalho musical não é tão recente assim. A filha de Leo Rocha e da escritora, jornalista e professora Donminique Santos, 37, começou sua trajetória na música desde muito nova e aos 3 anos já pedia para cantar nos shows do pai

“No meio do show eu pedia para cantar. Conheço as músicas de meu pai, então subia no palco e o show virava meu”, diz Lilica.

Leo Rocha mora em Itapuã desde os 7 anos e conta que sua experiência com o mundo da música começou nas rodas de samba. Frequentador das festas de largo e carnavais de Itapuã desde 1987, fala que ao entrar na Escola da Música se animava em estudar músicas que partiam da sua vivência no bairro. 

“A cultura musical é natural de Itapuã, as Ganhadeiras, do Bloco Afro, o Abaeté, as serestas aos fins de semana, os sambas que aconteciam em diversos espaços”, diz Leo.

Essa vontade de estudar e conviver com a música influenciou Lilica que, mesmo tão nova, já faz sua própria curadoria musical. 

VEJA TAMBÉM:
Estudante campeã de karatê golpeia adversidades e mostra a potência do Nordeste de Amaralina
Poetisas do Nordeste de Amaralina engajam temas como injustiças sociais e orgulho negro

“Ela faz uma seleção muito natural. Não gosta de todas as músicas de um artista, ela se afeiçoa por uma obra ou outra e aí começa a cantar. Um exemplo, a gente estava ouvindo Gonzaguinha e ela ficou encantada com a música ‘O que é, o que é?’, principalmente quando ouviu o trecho sobre a pureza da resposta das crianças. Ela sentiu que de alguma forma aquela obra conversava com ela”, conta o pai.  

Como toda criança, Lilica adora pizza, lasanha, brinca de casinha e super-heróis com amigos e família. Disse que está aprendendo a cantar ​”All single ladies”, da Beyoncé, e que não tem um artista preferido. 

“Eu gosto de todos, de Freddie Mercury, Michael Jackson, Caetano, Lazzo Matumbi. Não tem como não gostar de Caetano e Lazzo”, diz Lilica. 

Leo ressalta que a filha é antes de tudo uma criança e a família preza por preservar a infância. “Não é trabalho, porque acreditamos que criança não trabalha. Esse processo de interesse dela é muito genuíno. A gente opta por deixar ela curtir, e quando fica pesado, nós dizemos não”, conta o pai. 

O artista afirma que em primeiro lugar vem a formação escolar e o respeito pelo desenvolvimento musical de Lilica. “Nós acreditamos que o lugar dela enquanto artista é o lugar de criança. É um cantar de criança, com respiração, tempo e dicção de criança. É algo natural e que respeitamos.”

Com três novas faixas do álbum a serem lançadas, Lilica diz que não pode falar muito porque é surpresa, mas que se diverte cantando e ama fazer música. 

As redes de Lilica
Instagram:https://www.instagram.com/eulilicarocha/
Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCcs95v80A6rHP4cxVxM888Q    

 

Gabrielle Guido

Correspondente do bairro de Itapuã desde 2020. É produtora cultural, fotógrafa e integrante do espaço independente online Uncool Artist. Ama um samba até de madrugada e séries engraçadas.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.