APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

O que muda com a Grande São Paulo na fase laranja?

Região esteve fora dessa faixa desde junho; Medida tenta conter alta de casos de Covid-19 e internações na capital e nas cidades vizinhas

Image

Notícia

Por: Paulo Talarico

Publicado em 26.02.2021 | 15:57 | Alterado em 23.11.2021 | 19:17

Tempo de leitura: 2 minutos
Image

Comércios poderão ficar abertos até oito horas; bares apenas no serviço delivery @Léu Britto/Agência Mural

Na tarde desta sexta-feira (26), o governador João Doria (PSDB) anunciou que a Grande São Paulo regrediu da fase amarela para laranja do Plano São Paulo e voltou a restringir a abertura de bares. Outros estabelecimentos como salões de beleza, academias e restaurantes podem seguir abertos por oito horas. 

A capital e as 38 cidades da região metropolitana não estavam nessa fase em tempo integral desde junho do ano passado. No final do ano, a gestão chegou a adotar a fase vermelha nos fins de semana e em alguns horários. 

A volta para a fase laranja foi adotada por causa do aumento de casos e ocupação de leitos de hospital por causa da pandemia da Covid-19, segundo a gestão estadual. 

O recorde de internações em leitos de UTIs (Unidade de Tratamento Intensivo) voltados para pacientes com a doença foi um dos argumentos usados para a nova reclassificação da região. 

Nos dados oficiais apresentados, 6.767 leitos estavam ocupados nesta quarta-feira (24). O recorde anterior era de julho de 2020, com 6.250. 

O estado também registrou aumento de 13% em novas internações entre 21 e 25 de fevereiro, em relação à semana anterior. Nesta quinta-feira (25), 70% dos leitos de UTI estavam ocupados e desde o começo da pandemia foram 32 mil mortes na região metropolitana, mostra o Panorama da Covid-19.

O aumento na ocupação vem desde outubro do ano passado, época das eleições municipais. Na época, havia preocupação com as aglomerações na campanha eleitoral e, depois, com as festas e compras de final de ano. Desde então, o número de casos voltou a aumentar assim como as perdas.

VEJA TAMBÉM:
Jovens relatam os motivos para irem a festas durante a pandemia
‘Exaustivo’: a vida de uma auxiliar de enfermagem na pandemia de Covid-19

Ainda na quarta-feira, o governo estadual havia anunciado que São Paulo montaria operações de fiscalização para tentar restringir a circulação de pessoas entre as 23h e as 5h. A medida, chamada de ‘toque de restrição’, vale a partir desta sexta-feira (26).

Na etapa laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios podem funcionar por até oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% da capacidade, com início às 6h e encerramento às 20h. 

Por outro lado, os parques são liberados nesta fase enquanto o consumo local em bares é proibido, mas com possibilidade de delivery.

Fase laranja

  • Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido
  • Capacidade de ocupação – 40% em todos os setores
  • Funcionamento máximo de 8 horas por dia
  • Os atendimentos presenciais só podem ser feitos até 20h
  • Parques estaduais, salões de beleza e academias podem abrir

Iniciado em junho do ano passado, o Plano São Paulo sofreu várias alterações com o decorrer da pandemia. A fase laranja do plano previa que restaurantes e salões e academias também deveriam ser mantidos fechados. 

No entanto, desta vez, a decisão da gestão estadual decidiu proibir apenas bares, que devem seguir apenas com serviços de delivery.

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo na Agência Mural. É formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo. Tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. É também membro associado do Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo). Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema. Cofundador e correspondente de Osasco desde 2011.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.