APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Cirurgia de menino e liberdade de expressão agitam samba do Boca de Serebesqué em Guaianases

Há 12 anos, bloco de carnaval faz festa nas ruas do bairro do extremo leste e tem as mulheres como maioria na bateria

Image

Por: Sheyla Melo

Notícia

Publicado em 26.02.2020 | 16:07 | Alterado em 26.02.2020 | 16:11

RESUMO

Há 12 anos, bloco de carnaval faz festa nas ruas do bairro do extremo leste e tem as mulheres como maioria na bateria; temas abordam vida na periferia

Todo sábado de carnaval, a população de Guaianases, na zona leste de São Paulo, pode curtir o carnaval na porta de casa. O cortejo, realizado há 12 anos, é organizado pelo Cordão Popular Boca de Serebesqué.

Este ano, o grupo entoou um samba que prega a liberdade de expressão e temas que têm relação com o bairro. “Neste ano, a gente quis fazer uma letra para cima”, conta a historiadora e integrante do grupo Glória Orlando, 42. 

Uma das partes celebra a cirurgia no coração, bem sucedida, de uma criança de 4 anos do grupo. “O surdão batendo na cadência forte e o coração do menino alegre a pulsar”, era o grito que enchia as ruas do bairro.

Em meio à descentralização dos blocos de carnaval da capital que beiraram os 800 neste ano, chegando a todas as subprefeituras, o Boca se destaca pois vem de um período anterior. 

Image

Mulheres são maioria na bateria do Cordão Boca do Serebesqué @Sheyla Melo/Agência Mural

Surgiu em 2008, com a ideia de curtir o carnaval na quebrada. “A gente sempre via todo mundo viajar, começamos a fazer o carnaval ser aqui, no nosso território, inclusive com os instrumentos emprestados do Coletivo Dolores Boca Aberta”, conta a arte educadora Elaine Mineiro, 36, citando o grupo que também atua na região.

Boca de Serebesqué é uma expressão popular que significa aquele que fala demais, que fala pelos cotovelos. O grupo adotou um marreco como mascote. Nos desenhos que estampam as camisas, o pato aparece sempre com uma cerveja, às vezes uma garrafa de coquetel molotov, em memória às guerrilhas e protestos urbanos.

VEJA TAMBÉM:
Santana de Parnaíba reúne tradição africana, noite de fantasmas e pedidos de pinga
Com orçamento enxuto, escolas de samba dos bairros utilizam material reciclável e fantasias reaproveitadas

Outro ponto forte é que hoje as mulheres são maioria na bateria. Do tamborim ao surdo lá estão elas. Elaine e Glória são as mulheres que tocam o instrumento que antes era inacessível. “A gente também tinha interesse de ocupar o surdo, que é um instrumento grandão, pesado, e só os homens tocavam, primeiro foi a Elaine a tocar, depois eu”, lembra Glória.

“A gente percebeu que tinha uma questão de gênero, teve uma oficina no Dolores que aprendi a tocar o surdo e fui falando que no carnaval que vem eu ia para o surdo”, ressalta Elaine.

Image

Grupo anda pelas ruas de Guaianases @Sheyla Melo/Agência Mural

Outros desafios também eram impostos às mulheres para participar do Cordão.  Com o nascimento das crianças foi necessário um espaço educativo. Foi criada uma ciranda para os filhos das participantes. Outra reivindicação feminina foi que se criasse a marreca, personagem feminina do mascote do cordão.

Para a professora Neide Almeida, 50, o grupo resgata a cultura e trata do cotidiano de quem vive na periferia. “Traz nas letras as questões da sociedade, uma crítica social. Lutam contra as enchentes e questionam o corte de verba da cultura, na minha opinião eles tem uma participação muito importante aqui no bairro”.

Em 2015, houve uma enchente no bairro que levou a um protesto do Serebesqué. 

CONFIRA:
Outras notícias sobre a zona leste de SP
Página mostra a história de periferias da capital

Foram ao menos 10 ensaios desde janeiro antes do cordão ir às ruas. “É uma batucada do povo, a gente se encontra nas nossas férias, somos todos trabalhadores e nos ensaios cada um escolhe o instrumento que gosta”.

Elaine reforça a escolha do grupo de fazer um carnaval de rua. “Nos últimos anos tem surgido blocos grandes, no centro da cidade e a nossa ideia é brincar com a comunidade, quem está na rua cola e brinca o carnaval com a gente”. “A galera espera o cordão, já no fim do ano já estão perguntando se vai ter de novo”, diz Glória.

Samba 2020

Simbora com a gente
Na folia bem quente
Pra ver como é que é (qué, qué, qué)
Aqui tem samba no pé
É Boca de Serebesqué aqui de novo
Eu sou o povo, eu sou o povo (bis)

Eu vou sorrir eu vou cantar
Minha opinião não vou deixar de dar (eu vou dar, eu vou dar)
A alegria ao povão
Na batida do nosso cordão (Boca de Serebesqué)
Guaianases canta a vida
Com a força de quem não para de lutar
O surdão batendo na cadencia forte
E o coração do menino
Alegre a pulsar (bis)

2020 ver, 20 buscar, 20 querer
juntos na batida do tambor
tamborim e agogô
Mostrar que a beleza de toda forma de amor
É sempre maior do que
Qualquer pudor (bis)

Não venha com seu medo
Ódio, desprezo, violência e intolerância
Querer nossa cultura sufocar
De vocês não vamos mais falar
(quero amar, quero amar)
Junta o povo vem pra luta
Na resistência vamos continuar
Pois hoje vai ter samba na praça
Um brinde da nossa cachaça
La ia la la iaa
Guaianás é pauliceia guerreira
Indígena, preta
Nordestina, mulher

Qué qué qué
Qué qué qué
E viva os Boca de Serebesqué
Qué qué qué
Qué qué qué
E viva os Boca de Serebesqué

Sheyla Melo

Pedagoga, estudante de jornalismo, correspondente de Guaianases desde 2017. Pernambucana, rapper, ativista e educadora social. Co-gestora do grupo Arte Maloqueira. Articula projetos com produção de comunicação comunitária e literatura periférica.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.