• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Nas periferias, líderes comunitários temem a reabertura dos comércios; ouça o podcast

Líderes comunitários das periferias de São Paulo compartilharam porque não concordam com a flexibilização da quarentena

Desde o dia 6 de julho a cidade de São Paulo passou para fase amarela de flexibilização na retomada da economia, o que autoriza estabelecimentos como bares, restaurantes e salões de beleza reabrirem. 

Para entender esse movimento e os impactos disso na vida dos moradores nas periferias de São Paulo, o “Em Quarentena” conversou com líderes comunitários de diferentes regiões que estão preocupados com essa flexibilização. Eles compartilharam por que temem a reabertura dos comércios. 

A líder comunitária e socióloga Anabela Gonçalves, moradora do Jardim São Luís, zona sul de São Paulo, iniciou falando sobre mortalidade. “A periferia é o lugar onde se mais morre de Covid-19 porque é o lugar onde se mais morre de tudo. A periferia é onde se mais morre! […] A gente tem diversos tipos de mortes aqui na periferia. A Covid-19 com certeza não seria diferente”. (ouça a partir de 01:33). 

Gilson Rodrigues, líder comunitário em Paraisópolis, a segunda maior favela da cidade de São Paulo, não apoia a reabertura dos comércios. Ele ressaltou as desigualdades sociais visíveis ainda mais durante a pandemia da Covid-19.  “O que temos visto são dois “brasis”. Um do home office, da quarentena, álcool gel e da máscara. E outro Brasil das pessoas que a fome já está chegando, que moram em cima dos córregos e que estão sendo demitidas. E muitos que não foram demitidas, continuam lotando os ônibus. (a partir de 02:28).

A moradora da zona oeste da capital, Viviane Lima, que é presidente da associação de moradores da ocupação Pelourinho, comentou que muita gente na periferia não acredita na pandemia. “Cheguei a ouvir de alguns moradores da comunidade onde sou líder comunitária que isso seria doença de rico. Muitas das crianças e dos pais andavam e andam pela comunidade sem nenhum tipo de proteção”. (em 03:38)

Débora Dias, moradora de Sapopemba, na zona leste, é voluntária na Uneafro e se uniu a outros agentes do bairro para criar o projeto Agentes Populares de Saúde, que reúne infectologistas, terapeutas e psicólogos para monitorar e apoiar pessoas do grupo de risco. Ela explicou a iniciativa.

“A gente tá pensando numa ideia de redução de danos. Então os movimentos de saúde e os movimentos culturais que estão incidindo aqui em Sapopemba, […] esses coletivos estão se unindo para poder fazer um processo de redução de danos” (em 05:16

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #71: Nas periferias, líderes comunitários temem a reabertura dos comércios.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Grande São Paulo

Comentários