• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Saiba como sacar o benefício da segunda parcela do auxílio emergencial

Moradores ainda enfrentam dificuldades com aplicativos e filas; pagamento da nova parcela começou esta semana

No Jardim Fontalis, periferia da zona norte de São Paulo, em meio ao desemprego causado pela pandemia da Covid-19, dois trabalhadores da construção civil vivem situações dramáticas à espera do auxílio emergencial, benefício social de R$ 600, pago por três meses.

Gilberto Silva, 30, aguarda desde abril a aprovação, mas o aplicativo (app) de consulta do benefício traz sempre a mesma informação: “em análise”. Já seu primo e colega de trabalho, Márcio Costa, 30, recebeu o dinheiro da primeira parcela, e reclama do atraso na segunda etapa.

Os dois trabalhadores, isolados em casa, não conseguem nem mesmo “bicos” para fazer. “A obra parou em março e hoje ninguém quer mexer com construção. É complicado porque a gente economiza, mas as contas não param de chegar”, diz Silva.

Costa reclama da demora para a aprovação. “Ficou um tempão em análise e só recebi em maio. Agora estou esperando a segunda parcela”, revela o rapaz, que usou o dinheiro para o pagamento de pensão para a filha.

Para atender os interessados no benefício, a Caixa Econômica Federal lançou os aplicativos Auxílio Emergencial, para inscrição, e Caixa Tem, para pagamentos, disponíveis nas lojas virtuais. Também é possível a inscrição pelo site da Caixa e acompanhar o pedido nos sites do Ministério da Cidadania / Dataprev.

Gilberto Silva ainda não recebeu a primeira parcela do auxílio emergencial. (Arquivo Pessoal)

Desde o começo da pandemia, moradores têm enfrentado dificuldades em várias regiões da capital. A primeira delas foi a dificuldade com os aplicativos por causa da complexidade da operação.

Estudo da Rede de Pesquisa Solidária, que reúne pesquisadores focados na melhoria das políticas públicas, aponta que 7,4 milhões de beneficiários do auxílio social não têm acesso à internet.

Quem se cadastrou, apontou demora para passar pela fase ’em análise’, outros não conseguiram completar o cadastro do Caixa Tem. Muitos recorreram às filas do banco para conseguir o benefício, mesmo sem o código do App.

VEJA TAMBÉM:
Confira dicas para passar se manter bem em casa na quarentena

Veja outros episódios do Em Quarentena, podcast da Agência Mural

NOVO CALENDÁRIO

Nesta semana, começou uma nova rodada de pagamentos, tanto para quem ainda não recebeu a primeira parcela quanto para quem busca a segunda.

A Caixa divulgou a programação do novo lote da primeira parcela do auxílio emergencial, para mais 8,3 milhões de pessoas. Veja as datas, de acordo com o mês de nascimento:

Crédito: DivulgaçãoPeríodo de liberação para quem ainda não recebeu a primeira parcela

Também saiu a segunda parcela do auxílio para quem recebeu o pagamento da primeira etapa até 30 de abril. Nesse calendário, apenas os beneficiários do programa Bolsa Família, já selecionados anteriormente, podem sacar em dinheiro, conforme o final do NIS (Número de Identificação Social). Saiba quando:

Crédito: DivulgaçãoDatas para quem é cadastrado no Bolsa Família

Os demais beneficiários receberão a segunda parcela exclusivamente na poupança social digital, do aplicativo Caixa Tem, entre 20 e 26 de maio. Para esse público, essa primeira fase permite o pagamento de contas e boletos, além de compras, em sites e aplicativos, usando o cartão de débito virtual do App.

Vale também para quem optou por receber o crédito em outras contas na Caixa e demais bancos. Nesse caso, será aberta, automaticamente, uma poupança social digital para a movimentação do saldo. O calendário, apenas para uso digital do valor, é o seguinte:

Crédito: DivulgaçãoDatas para o uso digital do auxilio

Por último, vem a programação para quem preferir sacar em dinheiro. Quem recebeu a primeira parcela em outra conta bancária, terá o crédito de eventual saldo da poupança social digital nessa conta. Conheça as datas:

Crédito: DivulgaçãoPagamento começou nesta semana

COMO CADASTRAR

Para que o interessado receba mais rápido o benefício, evitando erros, a Agência Mural explica como resolver os principais problemas ao usar os aplicativos.

Se ainda não se cadastrou ou aguarda o pagamento, conheça os motivos para a negativa ou demora na aprovação, como preencher o cadastro ou contestar o resultado da análise.

Crédito: DivulgaçãoAplicativo da Caixa Econômica é utilizado para solicitar o benefício

Aplicativo Caixa Auxílio Emergencial

Principais motivos para o auxílio emergencial ser negado
– Ser menor de 18 anos ou ter emprego com registro
– Receber Seguro-Desemprego ou aposentadoria / pensão do INSS  
– Receber benefícios, exceto Bolsa Família, como o Benefício de Prestação Continuada ou Auxílio Doença
– Família com renda mensal, por pessoa, acima de meio salário mínimo (R$ 522,50) 
– Renda familiar mensal superior a três salários mínimos (R$ 3.135,) 
– Rendimentos tributáveis, em 2018, além de R$ 28.559,70, declarados no Imposto de Renda em 2019 
– Mulher casada que preenche cadastro como “mãe solteira”
– Cadastro de mais de dois membros da mesma família 
– Mais de duas pessoas recebem Bolsa Família no grupo familiar  
– CPF com problemas (regularizar na  Receita Federal)
– CPF de pessoa falecida 
– Cadastro feito em aplicativo ou site fraudulento
 
O aplicativo permite fazer nova solicitação ou contestar a análise, conforme o resultado:

– “Não aprovado” – não pode retificar as informações no cadastro, pois o sistema identificou não haver direito ao benefício. É possível realizar a contestação no app ou site Caixa.

– “Dados inconclusivos” – deverá refazer o cadastro, corrigindo as informações apontadas, via app ou site Caixa.

Mesmo que o interessado tenha direito ao benefício, falhas no cadastro causam demora na análise e na liberação do saque. 

Principais erros cometidos no preenchimento do cadastro

– Registro como chefe de família, sem indicar outros membros familiares 
– Falta de informação sobre o sexo do solicitante  
– Inserção errada de dados pessoais, como CPF e data de nascimento  
– Mais de uma pessoa fazer o cadastro familiar e haver divergência nos dados entre eles  
– Entrega de cadastro por mais de duas pessoas da mesma família 
– Inclusão de familiar com indicativo de falecimento 
– Se tiver regularizado o CPF recentemente, deverá aguardar três dias para fazer novo cadastro

Aplicativo Caixa Tem

O aplicativo deve ser acessado pelas pessoas que vão receber o Auxílio Emergencial pela Poupança Social Digital, a ser aberta no app.

A Caixa divulgou orientações no YouTube, sobre como utilizar o aplicativo. Confira o vídeo completo aqui.

O banco também produziu material explicando como sacar sem cartão, com o código de saque, nas agências e lotéricas. Veja como fazer no passo a passo.

Crédito: Léu Britto/Agência MuralPrograma entrou em funcionamento nesta terça-feira (7)

DICAS IMPORTANTES

Os usuários devem sempre atualizar a versão do Caixa Tem na loja de aplicativos.
Conheça os novos recursos da versão, lançada em 8 de maio:
* Inclusão da sala de espera virtual – informa em quanto tempo será atendido
* Uso normal do celular ao aguardar o atendimento, sem precisar manter aberta a tela do aplicativo 
* Ao término da espera, alerta para início do atendimento (som ou vibração).  Após o aviso, o prazo máximo para ativar o aplicativo é de 10 minutos.

Além de consultar e receber o Auxílio Emergencial, o aplicativo traz informações sobre FGTS, PIS, Seguro-Desemprego e Bolsa Família, faz consultas e transações em contas na Caixa. Com o cartão virtual de débito, é possível fazer transferências para outros bancos, pagamentos de boletos e contas.

Em caso de dúvidas, utilize os canais oficiais:

Central Telefônica: 111
Site: auxilio.caixa.gov.br
Aplicativo: Caixa Auxílio Emergencial

Sidney Pereira

Formado em Comunicação Social pela FAAP e correspondente da Vila Maria desde 2014. Atua nas áreas de Marketing e de Assessoria de Imprensa. Amante de esportes e turismo, sempre procurar acompanhar eventos esportivos nas viagens de férias.

Vila Maria, São Paulo

Comentários