APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

São Bernardo e Santo André passam de mil casos de Covid-19; na Grande SP são 56 mil

Morreram 2.940 pessoas na capital paulista e outras 1.500 nos demais municípios da região metropolitana até esta terça-feira (19)

Image

Por: Paulo Talarico

Notícia

Publicado em 20.05.2020 | 16:25 | Alterado em 21.05.2020 | 14:17

RESUMO

Morreram 2.940 pessoas na capital paulista e outras 1.500 nos demais municípios da região metropolitana até esta terça-feira (19)

Tempo de leitura: 2 min(s)

Entre a última quinta-feira e esta terça-feira (19), a Grande São Paulo confirmou mais 9,6 mil exames de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, a região metropolitana saltou de 46 mil para 56 mil casos de Covid-19, enquanto municípios ainda buscam garantir leitos hospitalares. 

Os dados foram levantados pela Agência Mural nas 39 prefeituras e apontam o avanço da Covid-19 na região metropolitana e se referem ao que foi publicado até a noite desta terça-feira (19). No Brasil, são 271 mil casos e foram 1.179 perdas em 24 horas, o maior número para um dia desde o começo da pandemia. 


A alta tem sido vista nas 39 cidades. Da última semana para cá, aumentou o número de municípios que contabilizam mais de mil casos. Entraram na lista São Bernardo do Campo e Santo André, ambos no ABC paulista, com 1.158 e 1.188, respectivamente.

Os dois municípios também ultrapassaram as 100 mortes, com 152 óbitos por Covid-19 em São Bernardo e 110 em Santo André. No caso de São Bernardo, a maioria dos casos está concentrada no bairro do Montanhão, na periferia do município, onde 131 pessoas foram infectadas.

Com o número de confirmações, as cidades do ABC se juntaram assim a São Paulo, Osasco e Guarulhos. A capital paulista chegou a 40 mil pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Os osasquenses somam 2.871 com contágio e 237 mortes, enquanto a prefeitura guarulhense confirmou 1.371 pacientes e 174 perdas. 

A situação tende a ser mais grave, pois ainda há cerca de 19 mil pessoas que têm suspeita de Covid-19, mas sem confirmação, em toda a Grande São Paulo. Também há 3.529 que morreram sem ter o resultado do exame e são contabilizadas como mortes suspeitas. 

Por outro lado, 8.600 pessoas se recuperaram da doença e tiveram alta hospitalar segundo estimativa das prefeituras. 

PROPORCIONALMENTE

Quando calculado o número de perdas por 100 mil habitantes, Osasco, Barueri, Caieiras já apareciam com mais mortes do que a capital. Soma-se a elas a cidade de Santa Isabel, no Alto Tietê.

O município tem 57 mil habitantes e é um dos menores da Grande São Paulo, mas chegou a 14 óbitos por conta da Covid-19 – o equivalente a 24 por 100 mil. Porcentualmente, a mesma situação da capital.

Na cidade vizinha, o prefeito de Biritiba Mirim, Water Tajiri, teve a doença confirmada nesta semana. Ele  divulgou que está de quarentena após ter tido o caso confirmado. Antes dele os prefeitos de São Bernardo do Campo e Mogi das Cruzes já haviam sido contaminados, mas passam bem.

Biritiba fica a 70 km da capital, na região do Alto Tietê, e era um dos poucos municípios que não tinham registrado mortes por conta da doença até semana passada quando duas pessoas morreram. A prefeitura recuou de medidas de afrouxamento ao isolamento social no município como a realização de cultos. 

“Orientamos toda a população que fiquem em casa e respeitem o isolamento social. Essa é a principal ação para que o vírus não se espalhe”, divulgou a prefeitura municipal. 

Nesta semana, parte das prefeituras anteciparam feriados para tentar aumentar o isolamento. No entanto, a medida não foi seguida por todas.

Infográficos: Fellipe Sales

Paulo Talarico

Editor-chefe e cofundador da Agência Mural, é formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.